Governo do Paraná e Alep irão divulgar salários de servidores no dia 1º

(da Gazeta do Povo)

Segundo o Executivo, estarão disponíveis as informações referentes a cerca de 300 mil pessoas, entre servidores ativos e inativos, funcionários comissionados e pensionistas

 Com duas semanas de atraso, o governo do Paraná e a Assembleia Legislativa (Alep) prometem divulgar a partir de quinta-feira (1º) os salários de todos os seus servidores de forma individualizada. De início, o Executivo e o Legislativo do estado haviam anunciado que a divulgação começaria a ser feita em 17 de julho.

Nesta terça (30), por meio do Twitter, o governador Beto Richa (PSDB) anunciou que havia determinado a publicação dos dados no Portal da Transparência. Segundo o Executivo, estarão disponíveis as informações referentes a cerca de 300 mil pessoas, entre servidores ativos e inativos, funcionários comissionados e pensionistas. Será possível saber o órgão de vinculação, o local de lotação, a situação funcional e a remuneração mensal de cada uma delas.

“É uma demanda da sociedade e que estamos atendendo neste momento. As vozes das ruas foram e continuarão sendo ouvidas pelo nosso governo”, afirmou Richa, por meio da assessoria. “Agora, superadas as barreiras técnicas, determinei de imediato a publicação dos salários dos servidores públicos.”

Já na Assembleia, a promessa é de que a divulgação também ocorra na quinta, no Portal da Transparência da Casa . “Divulgar salários é mais um passo da transparência, maior inimiga da corrupção. A divulgação vai permitir fiscalização da população”, escreveu no Twitter o presidente do Legislativo paranaense, deputado Valdir Rossoni (PSDB). “Aguardava apenas que os demais poderes definissem a forma como iriam proceder, bem como a constitucionalidade do ato, já que em outros estados houve contestação dos servidores.”

A princípio, a publicação deveria ter ocorrido no dia 17 deste mês, último dia de sessões antes do recesso parlamentar. O tucano, porém, adiou a divulgação em virtude do “momento atípico” pelo qual a Casa passava. Ele se referia à eleição conturbada do ex-deputado Fabio Camargo para o conselho do Tribunal de Contas do Estado (TC). Além disso, com a consequente renúncia de Camargo, servidores dele precisavam ser exonerados para a admissão dos funcionários do suplente, Antonio Salles Belinati (PP).

Arquivado em Diversas

Deixe um Comentário!

Por favor, digite os caracteres desta imagem na caixa de entrada

Digite os caracteres da imagem no campo acima

© 2018 - Blog do Cesar de Mello.