Justiça suspende concurso e bloqueia bens de ex-prefeito. MP-PR apontou vínculo entre ex-prefeito e empresa que realizou o concurso, além de direcionamento na licitação. Aprovados não poderão ficar nos cargos.

(Da Gazeta do Povo)

A Justiça bloqueou os bens do ex-prefeito de São Miguel do Iguaçu, Armando Luiz Polita, e determinou, liminarmente, a suspensão de um concurso público realizado pela prefeitura do município. O juiz Fernando Bardelli Silva Fischer considerou que houve uma série de irregularidades na licitação realizada para contratar a empresa que aplicaria as provas e no decorrer do concurso. De acordo com a decisão liminar, os aprovados no processo não poderão assumir os novos cargos e os servidores já nomeados devem ser afastados.

A liminar foi motivada por uma Ação Civil Pública proposta pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR). Segundo o promotor Eduardo Labruna Daiha, o ex-prefeito tinha vínculo pessoal com a Uniguaçu, mantenedora da empresa que aplicou o concurso. “Foi detectado que o ex-prefeito fez um empréstimo pessoal de R$ 218 mil junto à empresa”, disse o promotor. Os bens do ex-prefeito devem permanecer bloqueados até o julgamento.

O MP-PR apurou que a licitação – no valor de R$ 105 mil – foi direcionada à empresa, por meio da exigência de critérios que apenas a vencedora do certame poderia preencher. Também houve irregularidades na aplicação das provas: a maioria dos fiscais de sala eram funcionários da prefeitura, de acordo com o promotor.

Aprovados

O concurso foi realizado em janeiro de 2012, aplicado pelo Núcleo de Aperfeiçoamento, Capacitação, Aprendizagem e Desenvolvimento Regional. Segundo o MP-PR, a empresa é vinculada à Uniguaçu.

Dentre os aprovados no concurso, há vários candidatos que já prestavam serviços à prefeitura, como servidores comissionados ou temporários. Esta aprovação em massa de funcionários ainda não efetivados chamou a atenção do MP-PR. “É no mínimo estranho e suspeito”, avaliou Daiha.

Outro caso evidente é o do próprio diretor da comissão de licitação da prefeitura, que foi aprovado em primeiro lugar para a vaga de técnico em contabilidade. Ele teve nota de 9,8 e só não gabaritou a prova porque uma questão foi anulada pela comissão do concurso.

Em nota, a prefeitura de São Miguel do Iguaçu informou que já cumpriu a liminar da Justiça. No total, 92 funcionários que haviam sido aprovados no concurso e efetivados pela prefeitura na gestão anterior foram afastados. Cinco deles eram integrantes de comissão de licitação da prefeitura. O Executivo também cancelou o chamamento de novos aprovados no certame.

Gazeta do Povo entrou em contato a Uniguaçu, mas os responsáveis pelo setor de comunicação não estavam na instituição. A instituição não repassou contatos de celular por meio dos quais eles pudessem ser encontrados. O ex-prefeito não foi encontrado pela reportagem.

Arquivado em Diversas

Deixe um Comentário!

Por favor, digite os caracteres desta imagem na caixa de entrada

Digite os caracteres da imagem no campo acima

© 2017 - Blog do Cesar de Mello.