CURIÚVA: Mais um pedido de afastamento do cargo é apresentado pelo Ministério Público, contra o Prefeito Márcio Mainardes.

Neste caso o pedido foi apresentado nos autos nº 2232.41-2011.8.16.0078 de AÇÃO CIVIL PÚBLICA (POR ATO DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA, de autoria do Ministério Público, contra Márcio da Aparecida Mainardes, em andamento na Comarca de Curiúva PR.

Foi pedida também a indisponibilidade dos bens do Prefeito. A liminar foi negada em Curiúva e o Promotor de Justiça apresentou um recurso de Agravo de Instrumento, insistindo no afastamento de Márcio. No entanto, o Relator do Recurso – ROGÉRIO RIBAS – Juiz de Direito Substituto de 2º Grau, entendeu que não cabia o afastamento e a indispobinilidade dos bens liminarmente. O Caso agora deverá ser decidido por uma Câmara Cível, composta por três Desembargadores. Como em outro processo, o Prefeito Márcio corre o risco de ser afastado, acaso os Desembargadores concordem com o pedido do Promotor da Comarca de Curiúva.

Confira abaixo, a decisão provisória do Juiz Relator do recurso, no TJ PR:

TJ PR  – VISTOS, ETC…

Volta-se o presente agravo contra decisão de 1º grau (fls. 32/41-TJ) proferida nos autos nº 2232.41-2011.8.16.0078 de AÇÃO CIVIL PÚBLICA (POR ATO DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA), pela qual o MM. Juiz “a quo” indeferiu pedido do Ministério Público de concessão de liminar para (a) a decretação da indisponibilidade de bens dos agravados, e para (b) afastar o agravado MARCIO DA APARECIDA MAINARDES do cargo de Prefeito Municipal de Curiúva.

Pede efeito suspensivo recursal, pleito que passo a analisar. Entendo que a indisponibilidade de bens não se justifica, ao menos nesta análise de sumária cognição recursal.

Isso porque a decisão agravada (fls. 33/ss) está bem fundamentada principalmente na questão de não se ter demonstrado o superfaturamento de preços, e considerando também que houve mesmo a prestação de serviços (publicação dos atos oficiais) em favor do Município, não se constatando de plano um prejuízo ao erário que justifique a constrição do patrimônio dos réus da ação civil pública, os quais ainda são apenas acusados, possuindo a seu favor o princípio da presunção de inocência até o julgamento final da demanda.

Quanto ao pedido de afastamento do Prefeito MÁRCIO A. MAINARDES, o art. 20, parágrafo único da Lei 8429/92 (Lei de Improbidade Administrativa – LIA), dispõe que:

“Art. 20. A perda da função pública e a suspensão dos direitos políticos só se efetivam com o trânsito em julgado da sentença condenatória. Parágrafo único. A autoridade judicial ou administrativa competente poderá determinar o afastamento do agente público do exercício do cargo, emprego ou função, sem prejuízo da remuneração, quando a medida se fizer necessária à instrução processual”.

Ou seja, o afastamento antes do julgamento da demanda é medida excepcional, aplicável somente em casos extremos.

No caso dos autos, não há demonstração clara ou concreta de que o Prefeito MARCIO A. MAINARDES esteja interferindo na produção de provas na ação principal.

O fato de haver contra ele vários inquéritos civis abertos pelo agravante Ministério Público não significa que seja culpado de todos os atos em investigação.

De outro lado, apenas dizer que o Prefeito poderá prejudicar a colheita de provas (orais) caso permaneça no cargo é um tanto forçado como argumento para afastá-lo, eis que foi eleito pelo povo e a soberania do voto popular deve sempre ser respeitada pelo Judiciário, máxime não se demonstrando fatos concretos a impor o afastamento cautelar.

Isto posto, neste momento entendo por INDEFERIR O PEDIDO DE EFEITO SUSPENSIVO/ATIVO RECURSAL, remetendo o presente agravo à sua tramitação regular para ao final ser julgado pelo colegiado da 5ª Câmara Cível.

Quanto ao procedimento recursal:

a) Oficie-se o MM. Juiz singular comunicando deste despacho, e requisitando informações circunstanciadas no prazo de 10 dias, inclusive quanto ao cumprimento do art. 526 do CPC.

b) Intime-se a parte agravada por carta postal com Aviso de Recebimento (TODOS OS 13 RÉUS DA AÇÃO CIVIL PÚBLICA, cujos endereços estão na petição inicial da ação civil pública, fls. 504/506-TJ) para apresentação de resposta no prazo de 10 dias.

c) Por fim, faça-se vista à PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA para emitir seu parecer.

Intime(m)-se. Dil. Necessárias.

Autorizo a chefia da Seção da 5ª Câmara Cível a assinar os expedientes necessários.

Curitiba, 1 de fevereiro de 2012

ROGÉRIO RIBAS – Relator Juiz de Direito Substituto de 2º Grau

– 1 Em substituição ao Desembargador PAULO ROBERTO HAPNER.

Arquivado em Diversas

  1. 1 Comentário neste post.


  2. Por ana em 09-05-2012

    BOA NOITE CEZAR !!!!!QUERO PARABENIZAR A PRESIDENTE DO FUNDO DE PREVIDENCIA DO MUNICIPIO DE CURIUVA PATRICIA PELA CORAGEM ,POIS GRAÇAS AS SUAS DENUNCIAS E ISISTENCIA COM AÇOES CIVIS HOJE O PREFEITO MARCIO FOI AFASTADO DO CARGO.POIS FOI A UNICA QUE TEVE CORAGEM DE ENFRENTAR O MAINARDES E JUNTO COM O MINISTERIO PUBLICO HOJE CURIUVA TA LIVRE DO MAIOR LADRAO DE DINHEIRO PUBLICO.MAIS AÇOES ESTAO SENDO FEITAS . ESPERAMOS JUSTIÇA . VERBALIZA AI CEZAR ELA MERECE.

Deixe um Comentário!

Por favor, digite os caracteres desta imagem na caixa de entrada

Digite os caracteres da imagem no campo acima

© 2017 - Blog do Cesar de Mello.