CORRUPÇÃO NO PARANÁ

De: IZAIAS NOGUEIRA DA CRUZ (Pinhalão PR)
izaiasdacruz@ibest.com.br

(Fonte: Gazeta do Povo).

Assembleia é o principal fator de risco de corrupção no PR Estudo indica que, sem oposição forte, a Casa não cumpre papel de
fiscalizar o governo e isso aumenta a possibilidade de irregularidades Desde o início da publicação da série de reportagens Diários
Secretos, em março de 2010, pela Gazeta do Povo e pela RPCTV, a Assembleia Legislativa do Paraná corrigiu boa parte das
irregularidades que ocorriam na Casa há décadas. As mudanças internas, no entanto, não foram suficientes para alterar uma
característica histórica do Legislativo estadual: a falta de fiscalização dos deputados sobre os atos do Poder Executivo.
De acordo com o recém-divulgado estudo Sistema de Integridade nos Estados Brasileiros – desenvolvido por pesquisadores da
Uni¬versidade Estadual de Campinas (Unicamp) em parceria com o Instituto Ethos –, o reduzido tamanho da bancada de oposição
“mina a possibilidade de fiscalização” sobre o governo do estado, elevando consideravelmente o risco de corrupção no Executivo.
Governo e oposição divergem sobre propensão a irregularidades O alto risco de corrupção no governo do Paraná relacionado pelo
estudo da Unicamp ao reduzido tamanho da oposição na Assembleia divide as opiniões de deputados governistas e oposicionistas na Casa.
O levantamento também apon¬¬ta como falha grave o fato de o governo paranaense não divulgar relatórios de atividades do controle interno, cuja finalidade é fiscalizar as ações do próprio governo.
Atração governista
O estudo foi comandado pelos pesquisadores Bruno Speck e Valeriano Mendes Ferreira, do Centro de Estudos da Opinião Pública da Unicamp. Eles mediram o risco de irregularidades em todos os governos estaduais do país, por meio da análise de mecanismos de controle das instituições públicas e da sociedade civil organizada durante a gestão 2007-2010 – no caso do Paraná, a gestão dos peemedebistas Roberto Requião e Orlando Pessuti.
Assolada por uma avalanche de denúncias nos últimos tempos, a Assembleia paranaense mais uma vez se destacou negativamente. O estudo mostra que, apesar de quase 70% dos deputados eleitos em 2006 serem de partidos de oposição ao governador eleito (Requião), ao fim de 2010 os oposicionistas não ocupavam 15% das cadeiras. De 7.ª maior bancada de oposição dentre todas as assembleias do país, o Paraná caiu para 23.º no ranking. “O poder da oposição é bastante limitado nas assembleias, (…) e a atração do governo sobre partidos e parlamentares individuais mina a possibilidade de fiscalização”, afirma o estudo.
Segundo o cientista político Mário Sérgio Lepre, da PUCPR, como a função do deputado não é clara no Brasil, o próprio modelo de
governo favorece que o parlamentar vá em direção a quem assume o Executivo. “No geral, o deputado vira um despachante de interesses, porque é mais fácil estar atrelado a quem tem a chave do cofre.”
Já o cientista político Ricardo Costa de Oliveira, da UFPR, ressalta que historicamente o governador do Paraná consegue estabelecer uma ampla base de apoio independentemente dos partidos aliados. No caso atual, por exemplo, Beto Richa (PSDB) sofre oposição de apenas 8 dos 54 deputados (14,8% do total), apesar de a coligação do tucano ter elegido cerca de metade das cadeiras.
O levantamento da Unicamp aponta ainda o elevado grau de dificuldade – e, portanto, elevado risco de corrupção – de instalação de comissões parlamentares de inquérito (CPIs) na Assembleia do Paraná. O último presidente da Casa, Nelson Justus (DEM), por
exemplo, se caracterizou por não instalar CPIs. “Quanto menor o número de CPIs abertas, menor a possibilidade de fiscalização e
maior o risco de corrupção”, diz o estudo. “Jamais veremos uma CPI contrária aos interesses do governador”, avalia Oliveira.
Controle interno Ao lado de outros 12 estados, o Paraná recebeu nota zero na avaliação do sistema de controle interno e auditoria das contas públicas estaduais, pois não divulga o relatório anual de atividades do órgão. “Há uma frase célebre que diz que ‘a luz
do sol é o melhor dos desinfetantes’. A transparência é sempre o melhor caminho”, diz Lepre.
FONTE: GAZETA DO POVO

Arquivado em Diversas

Deixe um Comentário!

Por favor, digite os caracteres desta imagem na caixa de entrada

Digite os caracteres da imagem no campo acima

© 2014 - Blog do Cesar de Mello.