PINHALÃO: Modelo de tratamento de dependentes químicos

Aqui você acompanha na íntegra o  RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DO GRUPO DE APOIO AOS DEPENDENTES QUÍMICOS E ALCOOLICOS E FAMILIARES DE PINHALÃO, modelo que vem sendo apresentado no programa César de Mello, para implantação na região.

Em 23 de fevereiro de 2003, teve início o Grupo de Apoio Esperança com a finalidade de oferecer ajuda às pessoas com envolvimento em alcoolismo ou outra substância química.

Diante da constatação do sofrimento enfrentado pelos dependentes e também familiares dos mesmos, o Pastor da Igreja Plesbiteriana de Pinhalao, David de Oliveira Jr., convidou a Missionária e Técnico em Dependência Química Maria de Lourdes para vir ajudar a implantar o grupo no salão social da Igreja, a mesma veio e implantou o grupo e ficou morando na cidade onde dá atendimento aos dependentes.

O grupo dá atendimento aos dependentes e familiares em reuniões semanais, toda quinta-feira, das 20:00 às 21:00h, é um grupo terapêutico, onde a família é ouvida e aconselhada separadamente do seu ente querido e onde também o dependente é ouvido e trabalhado os Doze Passos do A.A. Durante esses cinco anos de trabalho desenvolvido pelo grupo, muitas pessoas foram reintegradas a sociedade e família.

As pessoas são encaminhadas pelo Departamento de Saúde e pelo Tribunal de Justiça com problemas decorrentes do abuso de álcool. Já atendemos pessoas do município de Japira, Jaboti, Tomazina e Ibaiti. Muitas dessas pessoas que são encaminhas, não é possível ser recuperadas só com o tratamento oferecido pelo grupo, precisam ser internadas, tem sido uma luta diária conseguir vaga social, pois os mesmos não tem condições financeiras de pagar pelo tratamento.

Todo esse trabalho vem sendo desenvolvido de maneira voluntária, pois, não recebemos ajuda de custo para este projeto.

O trabalho oferecido pelo Departamento de Saude funciona como paliativo, pois na maioria das vezes pessoas são internadas em clinicas psiquiátricas onde é feito tratamento com remédios e o dependente ao chegar a sua cidade volta ao uso do álcool, pois não recebe acompanhamento.

Durante esses cinco anos de trabalho desenvolvido já foram recuperadas nove pessoas, das nove, cinco não precisaram de internamento, parece pouco, mas se contar, são nove famílias recuperadas, livres do álcool.

Também foi feito um levantamento nesse período e morreram 60 pessoas vítimas do alcoolismo, existe ainda um número grande de pessoas não contabilizadas doentes crônicos em função do alcoolismo em nossa cidade. Esse trabalho é desenvolvido por duas pessoas, um técnico em dependência química, que alem de dar atendimento no grupo, faz visitas às pessoas que procuram ajuda, e uma agente comunitária de saúde com formação em SPA pela Cruz Azul do Brasil, que faz atendimento aos familiares. Estamos enviando este relatório por se tratar de uma entidade não governamental, sem fins lucrativos que atua nas áreas de tratamento e recuperação e reinserção social, redução dos danos sociais e à saúde, estudo pesquisa e avaliações.

PROJETO PARA CRIAÇAO DO GRUPO ESPERANÇA

JUSTIFICATIVA: Em Pinhalao, a exemplo de outros municípios, ocorrem vários problemas decorrentes do uso indevido de substancias psicoativas, sendo o álcool o mas utilizado e o de mais fácil acesso. O álcool é o maior responsável por uma carga dispenciosa e indesejável de problemas de saúde, sociais e psicológicos na maioria das sociedades, independente de classe social ou poder aquisitivo. Essas dependências criam problemas familiares, no trabalho, na saúde, econômicos e legais. O consumo do álcool, também pode diminuir a autocrítica e causar perda suficiente de autocontrole levando à liberação de impulsos agressivos e autodestrutivos, com risco para a integridade física do dependente e de pessoas próximas.

Tendo em vista esses fatores e considerando-se o grande numero de usuários em nosso município, e por considerar que após o envolvimento com álcool o individuo por si só, não consegue na maioria dos casos o abandono do vicio, verificou-se a necessidade da elaboração de um projeto de intervenção visando a recuperação de viciado bem como o apoio à família do mesmo, para que esta tenha condições de sobreviver, entender o viciado, bem como encontrar condições adequadas de apoio e persistência no tratamento para a reintegração do individuo na família e na sociedade.

DESENVOLVIMENTO:

A dependência química é um fenômeno complexo, sendo ainda hoje, o álcool o agente psicoativo mais utilizado em todo o mundo. Essa dependência acomete de 10% a 12% da população mundial, sendo maior entre os homens do que entre as mulheres, a complexidade desse fenômeno tem dispendido estudos tempo para busca de um entendimento das melhores estratégias de tratamento e um desafio para os profissionais de diversas áreas de saúde.

Atualmente, o melhor caminho adotado é a investigação do perfil de cada paciente, para a intervenção clinica mais adequada a cada um e critérios específicos de avaliação e encaminhamento, proporcionando formas de tratamento mais éticas e assegurando aos dependentes e seus familiares direito à atenção especializada.

Tendo em vista a natureza complexa da dependência química ou alcoólica, o respectivo tratamento constitui um processo dinâmico, exigindo uma constante articulação e integração dos mesmos. O tratamento do dependente visa sua recuperação e sua reinserção social, tanto familiar como laboral.

Na tentativa de reduzir as conseqüências sociais e de saúde decorrentes do uso indevido de álcool e drogas para a pessoa, comunidade e a sociedade, e integrar tais serviços, faz-se relevante a criação do grupo “Esperança” de apoio ao dependente químico e alcoolista, consoante com as diretrizes do A.A. (alcoólicos anônimos) e da saúde na promoção e reinserção, viabilizando o exercício da cidadania e propiciando à sociedade formas de inclusão nas políticas sociais garantindo o acesso a serviços que venham a prevenir ou reduzir riscos e vulnerabilidades sociais e exclusões.

A proposta do referido Grupo é disponibilizar um serviço onde o dependente possa reestruturar a sua personalidade e sua vida, desenvolvendo competências de autonomia e responsabilidade, valorizando-os como pessoas úteis à sociedade. Assume o caráter de reconstrução das perdas e seu objetivo é a capacitação do dependente para exercer em plenitude o seu direito a cidadania.

OBJETIVO GERAL:

Personalizar o atendimento ao usuário de substancias psicoativas e seus familiares, propiciar conhecimentos e orientações sobre o uso dessas substancias para toda a comunidade que demandar o serviço e integrar as ações de atenção ao dependente em todo o município.

OBJETIVOS ESPECIFICOS:

- Promover esclarecimentos quanto às intervenções, metodologias de trabalho e conteúdos programáticos ao uso de substancias psicoativas.

- Orientar familiares e outros quanto a procedimentos e atitudes em relação a dependências química e alcoólicas, no contexto familiar.

- Estimular ações que busquem o bem estar físico, emocional e a reinserção social, estabelecendo parcerias com instituições municipais, estaduais e federais, através de ações para o mercado de trabalho, oficinas e aumento de escolaridade.

- Disponibilizar informações sobre substancias psicoativas a comunidade em geral.

- Disponibilizar reuniões de grupos de mutua ajuda.

- Oferecer grupos especializados para o combate ao alcoolismo e drogas.

- Disponibilizar ações dos grupos especializados de redução de danos, em parcerias com a Secretaria do Estado da Saúde.

- Criar acervo bibliográfico, disponibilizando-o a comunidade.

METODOLOGIA:

Para o desenvolvimento deste projeto, serão realizadas reuniões semanais dirigidas pelas técnicas em dependência química no salão social da Igreja Plesbiteriana do Brasil, com os possíveis dependentes e suas respectivas famílias compartilharão suas experiências, forças e esperanças, afim de resolverem seu problema comum e ajudarem outras pessoas a se recuperarem do alcoolismo.

O único requisito para se tornar parte no grupo de apoio, é o desejo de parar de beber. Durante as reuniões, com freqüência são feitas referencias aos “doze passos”, que expressam a ideologia básica dos A.A.

Adotando a filosofia do A.A., existem também o apoio dado aos familiares, onde uma das técnicas orienta, discute comportamentos e direciona atitudes que poderão ser úteis durante as crises do dependente.

Outra abordagem no tratamento de alcoolistas é a terapia motivacional. Trata-se de um estilo de aconselhamento diretivo, centrado no cliente, que visa estimular a mudança de comportamento, ajudando-os a explorar e resolver sua ambivalência. Nessa abordagem ao invés do terapeuta propor soluções para o dependente, ele oferece condições de critica que propiciem o espaço para mudança natural.

O tratamento do alcoolismo tem sido encarado como desafiador, pois o acompanhamento é de longa duração com metodologias diferenciadas e não poucos atingem a abstinência alcoólica, há aqueles que participam das reuniões semanais e através do mutuo apoio entre dependentes conseguem abster-se do álcool, mas há aqueles em que se encontram num estagio tão avançado de degradação humana que necessitam de internamento em clinicas especializadas com uso de medicamentos como ansiolíticos, antidepressivos e outros, sob supervisão medica.

Alem do que já foi exposto, resumimos ainda alguns pontos básicos metodológicos:

- 1º ponto: reconhecer a natureza exata de seus erros; o dependente devera se dispor ao tratamento se realmente reconhece que não pode mais continuar com sua dependência devido à dor, física, mental e espiritual.

- 2º ponto: espiritualidade; levar o dependente a um despertar espiritual através do estudo da bíblia, orações e louvores, para que o mesmo encontre conforto e animo afim de enfrentar com disposição os outros passos que ainda estão por vir.

- 3º ponto: trabalho em grupo; durante o tratamento os dependentes estarão sendo apoiados por médicos, psicólogos, técnicos em dependência, ex-dependentes e colaboradores, onde será respondido um relatório de avaliação, relativo ao processo de recuperação.

- 4º ponto: os doze passos; adotamos como base os princípios de 12 passos de A.A. e N.A., acreditando que seja a sustentação, para que a pessoa venha a perceber que sua dependência não é só um vício e mas sim uma doença, progressiva e fatal, que abala sua estrutura física, mental e espiritual e que o dependente perde total controle de sua vida.

-5º ponto: reestruturação familiar e social; trata-se de um programa de reorganização dos princípios da vida, envolvendo a colaboração das pessoas que formam o grupo como um todo, especialmente os membros da família, visando a obtenção de maior nível de disciplina e responsabilidade pessoal possível em relação ao próprio valor da vida individual. E um programa de auto-estima e de solidariedade, para que se possa mudar comportamentos externos até que se possa alcançar as necessidades internas com mudanças de atitudes, modificando assim seus valores morais. Sugerimos também que tanto o familiar quanto o dependente participem de grupos de apoio durante e pós tratamento.

 

Arquivado em Diversas

Deixe um Comentário!

Por favor, digite os caracteres desta imagem na caixa de entrada

Digite os caracteres da imagem no campo acima

© 2014 - Blog do Cesar de Mello.